Faca diferente. Planeje a sua aposentadoria.

Categoria: | 29.outubro.2014 | sem Comentários

Mudar uma cultura arraigada não é tarefa fácil. Ainda mais quando se trata dos serviços públicos prestados pela previdência social. Por atuar na área previdenciária frequentemente preciso demonstrar as pessoas que, apesar dos percalços e das dificuldades enfrentadas pelo cidadão brasileiro junto ao INSS, ainda assim vale a pena “investir” na previdência social.

Fomentar a discussão sobre o tema é o primeiro passo para desvendar as possibilidades e, acima de tudo, despertar o interesse sobre como planejar a aposentadoria e aproveitar o melhor do INSS.

O fato dos brasileiros não pensarem e não acreditarem na previdência social faz com que não haja um planejamento adequado dos valores recolhidos, tendo como consequência prática, a concessão de benefícios no valor de um salário mínimo ou muito próximo a esse.

A realidade é uma só: quem contribuiu toda a vida sobre o salário mínimo receberá o mínimo da previdência. E infelizmente isso acontece com a maioria dos empresários de nosso Estado que recolhe o INSS sobre o pró-labore (normalmente salário mínimo) e estruturam os seus rendimentos sobre a distribuição de lucros.

E como o cálculo é pautado na média aritmética das contribuições pagas pelo segurado, não há milagre. Trata-se de uma conta matemática, portanto, é impossível mudar um histórico contributivo de 20 ou mais anos de recolhimento sobre o mínimo em pouco tempo.

Seja por falta de informação, necessidade ou mesmo descrença no serviço público, a realidade é que o brasileiro utiliza a intuição ao invés de planejar e, infelizmente, só descobrirá os impactos de seu ato no momento em que requerer a aposentadoria.

Essa ausência de estratégia prejudica muitos profissionais em todo o Brasil. Mas a boa notícia é que é possível mudar. Só depende de duas ações: atitude e planejamento.

Quando fala em planejamento o primeira providência a fazer é saber a sua própria realidade. Ter um ponto de partida e traçar uma meta a se alcançar. E o quanto antes isso acontecer, melhor e mais margem haverá para planejar.

Frequentemente as pessoas se surpreendem positivamente com as possibilidades que existem. Antecipação do recebimento da renda, regularização das contribuições em atraso, estancamento de contribuições desnecessárias e recuperação de crédito previdenciário são exemplos práticos de como conhecer a própria realidade é tão importante e representa um ganho financeiro real.

Um ponto importante que precisa ser esclarecido é que a previdência social e previdência complementar possuem conceitos e natureza completamente diferentes. Enquanto a primeira visa garantir a seguridade de todos nas suas três frentes (previdência, assistência e saúde) a segunda é uma linha de investimento com regras que vão desde a taxa de administração até o resgate dos valores aportados.

Portanto, planejar a aposentadoria depende única e exclusivamente de você. Como dizia Peter Drucker: o planejamento de longo prazo não lida com decisões futuras, mas com o futuro de decisões presentes. Faça diferente. Planeje a sua aposentadoria.
Fernanda Gutierrez, advogada, especialista em direito empresarial pela FGV. Associada ao Instituto dos advogados previdenciários de São Paulo. Sócia do escritório Camy & Gutierrez Advogados e Consultores.


Compartilhar

Fale Conosco